Deize Tigrona tem medo de avião, mas não de macho. Há pouco menos que uma década, a MC carioca foi um dos nomes centrais do momento em que o funk carioca começou a ganhar o mundo. A grande felina do funk, que chegou a abandonar a carreira, disse em entrevista que passou por tempestades turbulentas, descobriu sua relação com o feminismo, e agora quer contar tudo em um livro.

“Tive uma depressão devido a um problema de família”, afirmou. “E também fiquei triste por saber que o povo não entende que somos artistas, mas antes também somos humanos com sentimentos e problema como todos. Não é mentira, tenho, sim, medo de avião. Se for preciso eu viajo, mas não sozinha. Digo que estou voltando, mas pro meu público é como se eu não tivesse parado, eu tive prova disso”, completou.

Reprodução

Reprodução